Relato de uma vitória sobre a enxaqueca

Precisei de 30 anos para a 1ª vitória contra a enxaqueca, mas ela veio, e me mostrou o caminho.

Sofro deste mal desde a adolescência, não sabia o nome, mas já sofria muito. Lá pelos 20 e poucos, depois de muitos exames recebi este diagnóstico, e um quase foda-se, pois além receitar analgésicos a medicina pouco sabia sobre origem e tratamento.

Hoje a coisa mudou e sei que existem muitos centros de estudo e tratamento, mas nestes quase 30 anos, mesmo depois de muito aprendizado pessoal, a enxaqueca ainda era um fantasma que me assombrava volta e meia.

Estudei sobre uma infinidade de temas, obtive formação em algumas terapias e tenho estudado com dedicação o yoga nos últimos anos. As terapias me ajudaram e me ajudam em muitas coisas, mas, confesso que com a enxaqueca não foram muito eficientes, acredito, que o principal motivo é que quando a crise se instala, é difícil ter equilíbrio para se auto tratar.

Então, com a evolução do meu autoconhecimento, comecei a ver o processo acontecendo, porque a enxaqueca começa uns dias antes da crise, e nem sempre conseguia evitar o uso de analgésicos, as vezes, vários.

Agora, felizmente posso contar com muita alegria, que venci uma batalha contra ela. E quais instrumentos que usei? Principalmente a não ação, a não resistência, o não enfrentamento.

Sou muito fã do Prof. Hermógenes, e no seu livro Yoga para Nervosos, ele me deu o caminho, me mostrou e deu muitas dicas.

Deixem-me contar para vocês então como foi esta experiência:

  • Na 4a feira a noite percebi que eu não estava bem, não estava processando bem as coisas que estavam acontecendo comigo, tentei me trabalhar isso na 5a e na 6a, mas sem muito sucesso. Meu emocional demorava para estabilizar e meu corpo começava a demonstrar a somatização.
  • No sábado, pela manhã o processo estava instalado e a cabeça “explodiria” em poucas horas, eu bem sabia, quem sofre com isso sabe do que estou falando, então comecei a colocar em prática a técnica do nosso querido mestre, que se baseia principalmente na ferramenta meditação (dar ênfase).
  1. Aceitação
  2. Observação meditativa,
  3. Nunca trazer para o centro da observação
  4. Ações pontuais e específicas
  5. Silenciar
  6. Se recolher
  • Cheguei a noitinha com a cabeça querendo explodir e eu assistindo de longe. Praticamente jejuei o dia todo, muita agua, mas não me afastei da família, apenas busquei me recolher no silêncio e no sorriso.
  • Pratiquei meditação, alongamentos, ásanas e relaxamento, sempre por poucos minutos, várias tarefas de casa. Tudo de leve.
  • Percebi, então, que não teríamos mais explosão, por isso mantive a atitude, assisti televisão por um bom tempo enquanto fazia alongamentos e relaxamentos. E o alivio foi aumentando e o processo regredindo.
  • Somente fui dormir quando não tinha mais dor, foi ainda um sono insuficiente para um reparo total, mas acordei muito bem disposto e com a certeza de ter mudado de status, como se tivesse vivido um ritual de passagem, avançado.
  • O domingo foi tranquilo e noite seguinte sono normal, reparadora.

Sei que novos desafios virão, e provavelmente fracassarei em alguns, mas agora sei que posso vencer, posso viver sem este fantasma, melhorar a qualidade da minha vida e equilíbrio emocional. Sei que terei problemas, sofrimentos, que frustrações virão, mas, se meu equilíbrio emocional vacilar e começar a sofrer fisicamente, ainda posso reverter.

Gratidão mestres do yoga!!!

Namaste!

 

Consciência pelo Movimento

Este é o nome é de um livro que gosto muito, de Moshe Feldenkrais, engenheiro israelense, que estudou os movimentos corporais profundamente, e desenvolveu um método de correção postural que tem tanta importância que ficou conhecido como “Ioga Ocidental”, e, é largamente utilizado por terapeutas físicos e psicoterapeutas.

Porque trouxe este assunto aqui, por que como tantos, sou fã deste cara! Admiro muito a visão dele!

Nesta semana lendo um artigo de uma grande referencia da neurociência, professor alemão Konrad Kording, cresceu ainda mais minha admiração por Moshe, pois o famoso cientista traz confirmações com seus estudos para seu trabalho.

Olhem o que diz Feldenkrais:

“Cada um de nós fala, se move, pensa e sente de modos diferentes, de acordo com a imagem que tenha construído de si mesmo com o passar dos anos.”

Até aí nada de novo, criamos nossa autoimagem e ela guia nossas atitudes.

“Para mudar nosso modo de ação, devemos mudar a imagem própria que esta dentro de nós.”

Aqui já despertou minha curiosidade, mas ele se torna leitura indispensável quando fala:

“Nossa autoimagem consiste de quatro componentes que estão envolvidos em toda a ação: movimento, sensação, sentimento e pensamento… estão presentes em todas as ações, …influenciam e são influenciados um pelo outro.”

Definitivo para mim.

Ele acaba escolhendo o componente movimento, para desenvolver seu método e comprovou, que através da reeducação postural, a pessoas aprimoraram sua autoimagem e evoluíram também com relação à percepção do mundo, de seus sentimentos e pensamentos.

Aqui, vejo minha mestra yoga falando para seu atento aluno, “yoga é uma ação psicofísica, pratique com amor, entrega e disciplina e evoluirá em todos os aspectos da vida.”.

 

Namaste

Porque cuidar do corpo?

Se perguntarmos isto para um médico, um psicologo, um educador físico, etc…, cada um provavelmente terá uma resposta um pouco diferente, com o ponto de vista da sua área, eu falarei como professor de yoga.

Depois de definir que o caminho da iluminação era a meditação, os sábios antigos do yoga perceberam que ter um corpo saudável, flexível e forte era de grande importância no processo, pois os yoguins (praticantes) que cuidavam do bem estar físico e mental meditavam melhor.

Desta percepção surgiu o Hatha-Yoga para “…desenvolver o potencial do corpo, para que ele seja capaz de suportar a força e o peso da realização transcendental”, como diz Georg Feurstein em – A Tradição do Yoga, Ed. Pensamento, talvez o melhor conteúdo em português sobre o assunto.

O Hatha é uma abordagem do Yoga Clássico  com enfase nos asanas (posturas físicas) e pranayamas (praticas respiratórias), que foi base para muitos mestres, que o aprimorá-lo ou usaram como base para desenvolver seus conceitos.

De lá pra cá muita coisa mudou, mas este conceito ainda faz muito sentido para meus mestres  e para mim, por isto praticamos e ensinamos os asanas e pranayamas em nossas aulas, que nos fortalecem para a pratica e nos ajudam com nossas necessidades de homens/mulheres atuais.

Uma boa pratica, nos dias de hoje,  vai sempre levar em conta a preparação, com aquecimentos, alongamentos e desbloqueios para a melhorar nosso resultado e aproveitamento, mas, apenas estes exercícios já  nos ajudam  a vivermos bem e nos aprimoramos.

Sabemos que existem muitas formas de cuidar do corpo e os asanas são apenas um deles, consideramos todos validos e bem vindos, porque o essencial é estarmos caminhando em busca da nossa evolução, o que talvez seja grande diferencial deles seja a ação psicofísica que ganhamos, podemos ter este duplo efeito, o que  é muito apreciado pelos praticantes, “os asanas me acalmam e me fortalecem”, “durante a minha pratica esqueço meus problemas e volto para eles depois fortalecido”, exemplos de testemunhos meus.

Namaste!

 

 

 

Importância de relaxar

Relaxar é da natureza do nosso corpo, cada músculo retorna ao repouso após uma contração naturalmente, então porque temos tanta dificuldade para relaxar? Porque interferimos na natureza, ou seja, tensionamos músculos e os mantemos tensionados desnecessariamente, levando-nos para situações de stress emocional e mental, e então, normalmente,  vamos precisar ajudar a natureza a nos equilibrar, pois ela terá dificuldade de fazer isto sozinha.

Como inconscientemente levamos o corpo à sobrecarga das contraturas, dos encurtamentos musculares, com suas consequências mais conhecidas, tais como insônia, dores articulares e musculares constantes, fadiga, etc…, precisaremos trazer para o consciente esta situação e contexto, por que, para realizarmos um auto relaxamento eficiente será necessário exercitar a presença de nossa atenção no momento presente e em nosso corpo.

Existem muitas técnicas, que na maioria das vezes são, nada mais que o ato de olharmos para nos mesmos, parte a parte, e comandarmos o relaxar. Isto, normalmente já traz ótimos resultados, mas para mantermos os benefícios a longo prazo será importante nos dedicarmos a práticas de autoconhecimento e auto percepção.

Podemos usar atividades físicas intensas e a produção de endorfina e outros neurotransmissores para ajudar, mas, em alguns casos, estamos tão contraídos que precisaremos de um bom alongamento e aquecimento antes, para evitarmos lesões.

No yoga aprendemos que a hora de relaxar é a oportunidade de deixar o corpo integrar os efeitos da prática. Que durante este período de repouso, o prana (energia vital), ativado pelas posturas pode ser usado para energizar todo o organismo e é normalmente utilizado no fim de uma atividade, pois reabastece nossa disposição, parece mesmo que tiramos uma soneca recuperadora, e podemos reiniciar nossas tarefas, renovados.

Podemos usar do relaxamento em nosso dia a dia quando nos sentirmos cansados, ou de forma regular, para manutenção do bem estar e recuperação do stress. Basta parar uns minutos e relaxar, um período de uns 20 minutos e podemos voltar às atividades, certamente, mais atentos, produtivos bem humorados. Quanto mais se pratica, melhor se sente.

Procure um professor, um grupo ou relaxe sozinho, temos tutoriais, vídeos, áudios a vontade na rede, claro que recomendamos nossos canais, mas, recomendamos fortemente a você que esta lendo que pratique o relaxamento regularmente, certamente a sua vida terá mais sabor e alegria!!

Onde estão os nossos limites?

 

Desde meus primeiro minutos no Yoga ouço meus professores falando que preciso respeitar meus limites. Entregar-me profundamente naquilo que estou fazendo, mas com respeito pelo meu corpo, tratando-o com carinho sem deixá-lo, no entanto, na acomodação ou preguiça.

Algo que sempre me desafiou foi descobrir onde está a linha tênue entre a resignação e a acomodação. Onde realmente está o meu limite, ou enquanto professor, onde está o limite dos meus alunos. Como encontrá-lo, mensura-lo ou determina-lo.

Aqui entra o tão falado, mas pouco buscado, autoconhecimento, não conheço outro caminho.

Quando vejo hoje em dia algumas pessoas fazendo esforços extremos para ficarem mais bonitas, mais fitness, mais jovens, mais magras, usando muitas vezes como referencia padrões inalcançáveis, me lembro de meus mestres falando. Preste atenção no que teu corpo fala, será que ele suporta tudo aquilo que esperamos dele?

A experiência nos mostra que em muitos casos a resposta é não. No esporte, vemos muitas pessoas lesionadas por over training, na vida, pessoas em alto grau de sofrimento com doenças como bulimia e anorexia ou com o corpo mutilado por cirurgias plásticas desnecessárias ou mal realizadas.

Gosto de correr como atleta amador e me desafiar, buscando superar recordes pessoais ou provas com maior grau de dificuldade. Estou chegando aos 50 anos e gostaria de parecer mais jovem, mais forte. De eliminar aquela barriguinha chata e persistente que teima em me acompanhar. Mas tenho lembrado muitos meus mestres, e meditado mais, relaxado mais, tentado ouvir meu corpo, dialogar com ele.

Quero uma velhice saudável, com muita disposição para correr com meus netos por ai, se eu merecer esta graça. Então saúde é prioridade. Paz de espirito, muito bem vinda. Uma graninha para o sorvete, importante. Mas com calma, respirando e vivendo.

João Luiz Antunes

Aliviando as Dores no Pescoço com o Yoga

A grande causa das dores no pescoço, para maior parte das pessoas, é a posição que passamos, boa parte do nosso dia, usando nossos Smartfones e computadores. Observem, quase sempre ficamos com a tela num angulo desfavoravel, e precisamos ficar com a cabeça inclinada para frente, o que por várias horas certamente nos causará desconfortos.

É claro que que devemos mudar este vício postural, mas, enquanto isso, abaixo coloquei um vídeo que fiz e que dá umas dicas que ajudam bastante.

 

Aliviando as Dores Lombares

Olá!

Todo dia alguém me fala de dores lombares, que esta sentindo ou que sentiu recentemente. Este tipo de dor esta muito associado ao nosso estilo de vida atual, onde ficamos muito tempo sentados, nem sempre em uma boa posição, praticamos poucas atividades físicas e seguidamente estamos em sobrepeso. É um problema corriqueiro, sem maiores consequências se tomarmos alguns cuidados:

  • evitarmos tempo excessivo na mesma tarefa ou posição, buscar movimentação a cada 1 hora ajuda.
  • atividades físicas 5x por semana de 30 minutos ou 3x vezes de 50 fazem toda diferença(segundo meu médico)
  • praticar yoga, claro, puxar brasa para o meu assado, abaixo dicas.

 

Fortalecimento Imunológico com Yoga

O que é sistema imunológico?

São estruturas e processos biológicos que protegem o organismo contra doenças e consiste na resposta coletiva e coordenada das células e moléculas diante dos agentes estranhos.

O que fazer?

  • Pratica regular de uma sequencia equilibrada(promove a saúde)
  • Relaxamento(promove a cura no nível mais profundo).
  • Pranayama – acalma a mente alivia o stress.
  • Meditação abre a mente para algo maior que nos mesmos.

Práticas

Fortalecendo a autoconfiança!

Autoconfiança é a convicção que uma pessoa tem, de ser capaz de fazer ou realizar alguma coisa, é uma postura positiva com relação às próprias capacidades e desempenho,  e inclui as convicções de saber fazer alguma coisa, de fazê-lo bem, de conseguir alcançar um objetivo, de suportar as dificuldades ou de poder prescindir de algo.

Dicas  :

1.Pare de se importar tanto com o que os outros pensam;

2.Pare de se criticar;

3.Assuma a responsabilidade pela mudança;

4.Respiração onfiante, profunda e serena;

5.Postura confiante;

Antes de situações estressantes, potenciais e cotidianas, prepare-se e resgate sua confiança

O que fazer? Como o yoga pode ajudar?

  • Flexões para trás, erguendo o centro do coração;
  • Posturas em pé e de equilíbrio;
  • Adotar a disciplina de meditar de forma regular;

Prática