Vamos usar a respiração para vivermos mais felizes?

 

Podemos mudar padrões emocionais, humor e atitudes utilizando nossa respiração ou a forma como a realizamos.

O yoga nos ensina que a respiração é o fator chave para todas as praticas. Não existem posturas, meditação ou relaxamento sem atenção na respiração. Nosso resultado é muito melhor se ela for feita de forma adequada. Algumas coisas, inclusive, são inviáveis se não observarmos os movimentos respiratórios.

Estudos modernos indicam benefícios em diversas áreas. Na educação física e na psicologia, nos esportes e no trabalho, no lazer ou no relax em casa foram observados alterações nos resultados quando observamos nossa respiração.

Muitos pesquisadores perceberam que o ser humano atual, respira rápido e curto. Fruto da nossa vida agitada, onde não temos tempo para nada, nem para respirar direito. Isto nos leva para um circulo vicioso perigoso, por que este tipo de respiração dificulta as praticas que levam ao relaxamento e a introspecção. É necessário quebrar o ciclo, mudar o rumo da prosa, acalmar a vida ou a respiração, tanto faz, porque uma vai movimentar a outra na mesma direção.

Posso ajudar em relação à respiração.

Abaixo um exercício simples e rápido:

 

-Devemos nos afastar do barulho e da agitação se possível, ou colocar fones com uma musica bem calma. Fazer algumas respirações profundas e lentas e permanecer por alguns minutos observando o movimento respiratório natural. Observar que parte do tronco é movimentada neste processo, se apenas a região peitoral, abdominal ou ambas. Se a respiração estiver apenas na região do peito é sinal de agitação, e precisamos comandar por um tempo a respiração movimentando o abdômen, liberamos o comando e observamos novamente. Se der resultado permanecemos uns minutos para aproveitando os benefícios, se não repetimos o processo.

É um exercício muito simples, muito eficaz. Se você não conseguir, me fala nos comentários que te passo alguma sugestão complementar.

Relaxamento é uma das melhores formas de ganhar energia!

 

Relaxamento muscular, sob a ótica da fisiologia, designa o fenômeno da distensão da musculatura que ocorre tanto naturalmente após uma contração muscular, quanto por ação de medicamentos, como no caso de anestesia. Ele também pode ser obtido através da prática de alguma técnica de relaxamento. Abaixo iremos descrever uma.

No yoga aprendemos que a hora de relaxar é a oportunidade de deixar o corpo integrar os efeitos da prática.  Que durante este período de repouso, o prana (energia vital), ativado pelas posturas pode ser usado para energizar todo o organismo. Normalmente utilizado no fim de uma atividade, reabastece nossa disposição, parece que tiramos uma soneca recuperadora, e podemos reiniciar nossas tarefas, renovados.

Podemos usar do relaxamento em nosso dia a dia quando nos sentirmos cansados, ou de forma regular, para manutenção do bem estar e recuperação do stress. Basta parar uns minutos e relaxar, um período de uns 20 minutos e podemos voltar às atividades. Certamente, mais atentos, produtivos bem humorados. E quanto mais se pratica, melhor se sente.

Relaxar, conforme diversos artigos e pesquisas cientificam:

  1. Melhora a saúde do coração
  2. Melhora a disposição
  3. Fortalece o sistema imunitário
  4. Melhora a memória
  5. Reduz o risco de Acidente Vascular Cerebral (AVC)
  6. Reduz o risco de depressão
  7. Ajuda a manter o peso adequado
  8. Previne a acne
  9. Reduz a tensão muscular e alivia a dor crónica
  10. Aumenta a libido

 

Relaxamento muscular (pratica):

Sentados, na posição mais confortável possível vamos respirar para cada parte do corpo. Focar em cada parte do corpo e respirar e visualizando-a relaxando. Dos pés à cabeça. Respirar pelas nossas conexões espirituais, aspirações e desejos. Para finalizar respirar sem motivo. Permanecer! Deleitar-se

 

as quatro leis da espiritualidade (sabedoria indiana)

 

A pessoa que vem é a pessoa certa.

Ninguém entra em nossas vidas por acaso… Todas as pessoas ao nosso redor, interagindo com a gente, têm algo para nos fazer aprender e avançar em cada situação. Dizem que o mestre se aproxima quando o discípulo esta pronto, mas não esperemos o senhorzinho de barba branca, nosso mestre pode ser qualquer um que esteja ao nosso lado. Vamos ouvir, observar. Estando atento, aprendemos mais, e vivemos melhor.
 

Aconteceu a única coisa que poderia ter acontecido.


Nada, nada, absolutamente NADA do que acontece em nossas vidas poderia ter sido de outra forma. Mesmo o menor detalhe. Não há nenhum “se eu tivesse feito tal coisa…” ou “aconteceu que um outro…”. Não!

O que aconteceu foi tudo o que poderia ter acontecido, e foi para aprendermos a lição e seguirmos em frente. Todas e cada uma das situações que acontecem em nossas vidas são perfeitas. Isto não invalida a lei da ação e reação, nem a da causa e efeito, mas às fortalece. A origem das coisas tem motivações pretérita, mas, depois que o movimento começa…acontece. 

“Toda vez que você iniciar é o momento certo.”

Tudo começa na hora certa, nem antes nem depois. Quando estamos prontos para iniciar algo novo em nossas vidas, é que as coisas acontecem. Quando esperamos o momento ideal para iniciar algo estamos propensos na nunca iniciar. Sentiu dá, vai!!!

“Quando algo termina, ele termina.”

Simplesmente assim. Se algo acabou em nossas vidas é para a nossa evolução. Por isso, é melhor sair, ir em frente e se enriquecer com a experiência. Não é por acaso que estamos lendo este texto agora. Se ele vem à nossa vida hoje, é porque estamos preparados para entender que nenhum floco de neve cai no lugar errado. A fila anda e novas oportunidades aparecem a todo 
momento.

Existe meditação cristã?

 

Meditação é uma pratica de autoconhecimento e autodesenvolvimento, portanto, pode se adaptar a uma crença sem problemas.

Muitas vezes, a associamos a religiões orientais, mas o que ocorre é que na Ásia existem muitos países antigos e que desenvolvem esta pratica a muito tempo, acontecendo uma associação natural sua cultura.

Podemos usar elementos da nossa fé na preparação e mantras de concentração. Mantras, em sânscrito, quer dizer “aquilo que liberta a mente”.

 

Existe o hesicasma, meditação cristã, que surgiu no século IV com os chamados padres do deserto, no Egito. Esta palavra tem origem grega e significa quietude. Foi disseminada pelos monastérios católicos durante séculos e é utilizada até hoje. Simplesmente busca-se a concentração mediante a devoção a Jesus.

 

Pratica:

  1. Procure um local, se possível silencioso, para ficar por uns 10 minutos sem ser interrompido.
  2. Instale-se confortavelmente cadeira firme, sente um pouco afastada do encosto, apoie os dois pés no chão, coluna reta e mãos apoiadas nas pernas.
  3. Respirar tranquilamente, fechando os olhos e observar o movimento respiratório.
  4. Pratique o mantra pelo tempo que for necessário.
  5. Concentre-se no significado do mantra.

Obs.: Alguns meditadores cristãos adotam o mantra Jesus, sincronizando com a respiração, Je-sus. Outros a antiga oração Maranatha, que em aramaico significa “Vinde, Senhor”.

Estou meditando, e agora?

 

 

Já consigo sentar e entrar em atitude meditativa, por um tempo. Já consigo ter regularidade. Já defini um horário ideal que posso me dedicar a isso por uns 10 minutos pelo menos. E agora?

Agora é que começa a diversão!!!

Até agora, fazendo analogia com um avião, fizemos os procedimentos de decolagem, vai pra pista, se posiciona, acelera e sai do chão… Então começa a viagem.

Com a meditação é a mesma coisa. Quando entramos em um estado de contemplação, com a mente observadora e não mais julgadora, podemos começar a nos conhecer e fazer grandes descobertas.

Vamos explorar algumas escolas tradicionais de meditação?

 

Visão Indiana sobre meditação

 

Segundo o conhecimento do asthanga yoga, sabedoria antiga da India, que utilizam a meditação como filosofia de vida a milênios, temos 8 passos para atingir o ápice.

 

           1-Yamas – (mandamentos morais). Usar a meditação para observar as atitudes e ações moralmente erradas que realizamos sem perceber e buscar evita-las.

            2-Niyamas – (autopurificação pela disciplina). Buscar na disciplina a força para se manter no bom caminho, no acerto, na saúde e na paz.


3-Asana 
– (postura corporal do yoga). Executando-os se ganha saúde, liberta-se das deficiências físicas e das distrações mentais.

         4-Pranayama – (controle rítmico da respiração). Adquirimos mais energia e serenidade. Respirar é viver.

            5-Pratiahara – (libertação do domínio dos sentidos). Somente temos controle real sobre nossa vida quando controlamos nosso corpo e nossas sensações.

           6-Dharana – (concentração). A mente precisa ser imobilizada para atingir esse estado de absorção completa. A repetição de mantras ou a contagem das respirações ajudam nisso.

          7-Dhyana – (meditação).

          8-Samadhi – (estado de supraconsciência). Quando o meditador torna-se uno com o objeto de sua meditação. Seu corpo e sentidos ficam adormecidos, mas suas faculdades mentais e racionais estão alertas, estamos então totalmente consciente.

 

 

Legal né? Comentem suas percepções e resultados, para compartilharmos nosso aprendizado.

Meditação acessível a todos.

 

Todos conseguimos meditar?

Sim, todos.

Se descartarmos pessoas com alguma doença neurológica especifica, todos estão habilitados.

 

Então por que é tão difícil?

Porque é uma habilidade, como andar de bicicleta, dirigir um carro, correr, lavar louca. Precisamos de um tempo para assimilar a técnica e treinar se quisermos ser um bom praticante.

 

Mas o que é exatamente meditar e como sei que estou meditando?

Meditar é serenar a mente, adotar uma atitude contemplativa e observadora em relação a tudo o que acontece dentro de fora de nos. Existem várias técnicas e dicas que nos ajudam neste processo. Sabemos que estamos meditando quando conseguimos momentos, pelo menos, neste estado.

 

 

Então deixa eu te passar uma técnica bem simples e eficaz:

 

  1. Procure um local, se possível silencioso, para ficar por uns 10 minutos sem ser interrompido.
  2. Instale-se confortavelmente em uma posição que possa ser mantida pelo tempo necessário. Se não praticar yoga ou tiver bastante flexibilidade para posturas “ideais” opte por uma cadeira firme, sente um pouco afastada do encosto, apoie os dois pés no chão, coluna reta e mãos apoiadas nas pernas.
  3. Respirar tranquilamente, fechando os olhos e observar o movimento respiratório, contando as  inspirações e expirações  para ajudar na concentração. Ex. 1-inspira, 2-expira,… Até o 10 e retornando para o 1 novamente.
  4. Regra de ouro, apesar de todas as distrações, principalmente internas, retorne sempre para a contagem. Se se perder, recomece.

 

Este exercício, repetido se possível diariamente, vai te dar a percepção que é possível parar por um tempinho e o observar. Que dá para manter a posição de observador por um tempo. Que dá para meditar. Quando maior for à persistência melhor serão os resultados.

Vamos começar agora?