Gratidão, devoção e outras coisas importantes…!

 

Muito obrigado Senhor!

Muito obrigado pelo que me deste.

Muito obrigado pelo que me dás.

Obrigado pelo pão, pela vida, pelo ar, pela paz!!

…….

Assim começa uma das mais lindas orações que conheço, reproduzo ela inteira aqui embaixo, escrito como poema, mas com uma gratidão genuína e profunda.

Acredito que precisamos falar mais sobre gratidão, que é uma ação libertadora, sim, ação. Segundo nosso dicionário é:  ” Ação de reconhecer ou prestar reconhecimento (a alguém) por uma ação e/ou benefício recebido”

Então para sermos gratos precisamos agir, pelo menos internamente, reconhecendo que somos beneficiados de alguma forma, admitir o poder do outro de nos beneficiar, aceitar e tornar-se consciente desta realidade.

Quando fazemos isto, normalmente, nossa reação é uma vontade de servir, devotar-se, dedicar-se na retribuição. Busco a origem da palavra devoção e ela, que vem do latim, quer dizer “dedicar-se a algo”, e é este sentido que realmente tem valor para mim.

Devotar-se, também é uma ação, é dedicar-se, realmente dedicar-se a alguma coisa. Quando falamos em devoção religiosa, então, é agir buscando cada vez mais o fortalecimento de sua relação com o divino, com sua crença de Deus, com a sua espiritualidade.

Lembro de um mestre indiano falando sobre o Bakti Yoga, que é o yoga devocional e que esta diretamente ligado ao Karma (ação) Yoga, :

“Devoção a não é idolatrar, é servir. Se reconheço Deus em todos, então eu os sirvo. Se eles reconhecem, me servem. Servir-se mutuamente é a grande compreensão do Bakti. A partir desta compreensão, não podemos simplesmente passar por alguém com fome ou sede sem fazer algo.”

Então, agindo e despertando a gratidão em nós, em nosso coração, certamente o tornaremos mais doce, mais suave e humilde. Possivelmente, crescerá em nosso peito uma vontade de servir, de ajudar, de contribuir para que quem esteja ao nosso redor seja mais feliz. Este, ao meu ver, é o caminho da mudança que tanto buscamos para nosso mundo. Quando abandonamos a busca egoica pela gratidão dos outros à nós, e a necessidade infantil de ser servido. Quando invertemos esta lógica, somos mais felizes, somos agentes da felicidade e um elo importante na grande união universal necessária para fazer nosso mundo evoluir.

…………………………

Poema de Gratidão – Amélia Rodrigues (Divaldo Pereira Franco)

…………………….

Muito obrigado Senhor!

Muito obrigado pelo que me deste.

Muito obrigado pelo que me dás.

Obrigado pelo pão, pela vida, pelo ar, pela paz.

……………..

Muito obrigado pela beleza que os meus olhos vêem no altar da natureza.

Olhos que fitam o céu, a terra e o mar

Que acompanham a ave ligeira que corre fagueira pelo céu de anil

E se detém na terra verde, salpicada de flores em tonalidades mil.

Muito obrigado Senhor!

Porque eu posso ver meu amor.

Mas diante da minha visão

Eu detecto cegos guiando na escuridão

que tropeçam na multidão

que choram na solidão.

Por eles eu oro e a ti imploro comiseração

porque eu sei que depois desta lida, na outra vida, eles também enxergarão!

………………..

Muito obrigado Senhor!

Pelos ouvidos meus que me foram dados por Deus.

Ouvidos que ouvem o tamborilar da chuva no telheiro

A melodia do vento nos ramos do olmeiro

As lágrimas que vertem os olhos do mundo inteiro!

Ouvidos que ouvem a música do povo que desce do morro na praça a cantar.

A melodia dos imortais, que se houve uma vez e ninguém a esquece nunca mais!

A voz melodiosa, canora, melancólica do boiadeiro.

E a dor que geme e que chora no coração do mundo inteiro!

Pela minha alegria de ouvir, pelos surdos, eu te quero pedir

Porque eu sei

Que depois desta dor, no teu reino de amor, voltarão a sentir!

……………………

Obrigado pela minha voz

Mas também pela sua voz

Pela voz que canta

Que ama, que ensina, que alfabetiza,

Que trauteia uma canção

E que o Teu nome profere com sentida emoção!

Diante da minha melodia

Eu quero rogar pelos que sofrem de afazia.

Eles não cantam de noite, eles não falam de dia.

Oro por eles

Porque eu sei, que depois desta prova, na vida nova

Eles cantarão!

………………

Obrigado Senhor!

Pelas minhas mãos

Mas também pelas mãos que aram

Que semeiam, que agasalham.

Mãos de ternura que libertam da amargura

Mãos que apertam mãos

De caridade, de solidariedade

Mãos dos adeuses

Que ficam feridas

Que enxugam lágrimas e dores sofridas!

Pelas mãos de sinfonias, de poesias, de cirurgias, de psicografias!

Pelas mãos que atendem a velhice

A dor

O desamor!

Pelas mãos que no seio embalam o corpo de um filho alheio sem receio!

E pelos pés que me levam a andar, sem reclamar!

……………

Obrigado Senhor!

Porque me posso movimentar.

Diante do meu corpo perfeito

Eu te quero rogar

Porque eu vejo na Terra

Aleijados, amputados, decepados, paralisados, que se não podem movimentar.

Eu oro por eles

Porque eu sei, que depois desta expiação

Na outra reencarnação

Eles também bailarão!

…………………

Obrigado por fim, pelo meu Lar.

É tão maravilhoso ter um lar!

Não é importante se este Lar é uma mansão, se é uma favela, uma tapera, um ninho, um grabato de dor, um bangalô, uma casa do caminho ou seja lá o que for.

Que dentro dele, exista a figura

do amor de mãe, ou de pai

De mulher ou de marido

De filho ou de irmão

A presença de um amigo

A companhia de um cão

Alguém que nos dê a mão!

Mas se eu a ninguém tiver para me amar

Nem um teto para me agasalhar,

nem uma cama para me deitar

Nem aí reclamarei.

Pelo contrário, eu te direi

Obrigado Senhor!

Porque eu nasci!

Obrigado porque creio em ti

Pelo teu amor, obrigado senhor!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *