Relato de uma vitória sobre a enxaqueca

Precisei de 30 anos para a 1ª vitória contra a enxaqueca, mas ela veio, e me mostrou o caminho.

Sofro deste mal desde a adolescência, não sabia o nome, mas já sofria muito. Lá pelos 20 e poucos, depois de muitos exames recebi este diagnóstico, e um quase foda-se, pois além receitar analgésicos a medicina pouco sabia sobre origem e tratamento.

Hoje a coisa mudou e sei que existem muitos centros de estudo e tratamento, mas nestes quase 30 anos, mesmo depois de muito aprendizado pessoal, a enxaqueca ainda era um fantasma que me assombrava volta e meia.

Estudei sobre uma infinidade de temas, obtive formação em algumas terapias e tenho estudado com dedicação o yoga nos últimos anos. As terapias me ajudaram e me ajudam em muitas coisas, mas, confesso que com a enxaqueca não foram muito eficientes, acredito, que o principal motivo é que quando a crise se instala, é difícil ter equilíbrio para se auto tratar.

Então, com a evolução do meu autoconhecimento, comecei a ver o processo acontecendo, porque a enxaqueca começa uns dias antes da crise, e nem sempre conseguia evitar o uso de analgésicos, as vezes, vários.

Agora, felizmente posso contar com muita alegria, que venci uma batalha contra ela. E quais instrumentos que usei? Principalmente a não ação, a não resistência, o não enfrentamento.

Sou muito fã do Prof. Hermógenes, e no seu livro Yoga para Nervosos, ele me deu o caminho, me mostrou e deu muitas dicas.

Deixem-me contar para vocês então como foi esta experiência:

  • Na 4a feira a noite percebi que eu não estava bem, não estava processando bem as coisas que estavam acontecendo comigo, tentei me trabalhar isso na 5a e na 6a, mas sem muito sucesso. Meu emocional demorava para estabilizar e meu corpo começava a demonstrar a somatização.
  • No sábado, pela manhã o processo estava instalado e a cabeça “explodiria” em poucas horas, eu bem sabia, quem sofre com isso sabe do que estou falando, então comecei a colocar em prática a técnica do nosso querido mestre, que se baseia principalmente na ferramenta meditação (dar ênfase).
  1. Aceitação
  2. Observação meditativa,
  3. Nunca trazer para o centro da observação
  4. Ações pontuais e específicas
  5. Silenciar
  6. Se recolher
  • Cheguei a noitinha com a cabeça querendo explodir e eu assistindo de longe. Praticamente jejuei o dia todo, muita agua, mas não me afastei da família, apenas busquei me recolher no silêncio e no sorriso.
  • Pratiquei meditação, alongamentos, ásanas e relaxamento, sempre por poucos minutos, várias tarefas de casa. Tudo de leve.
  • Percebi, então, que não teríamos mais explosão, por isso mantive a atitude, assisti televisão por um bom tempo enquanto fazia alongamentos e relaxamentos. E o alivio foi aumentando e o processo regredindo.
  • Somente fui dormir quando não tinha mais dor, foi ainda um sono insuficiente para um reparo total, mas acordei muito bem disposto e com a certeza de ter mudado de status, como se tivesse vivido um ritual de passagem, avançado.
  • O domingo foi tranquilo e noite seguinte sono normal, reparadora.

Sei que novos desafios virão, e provavelmente fracassarei em alguns, mas agora sei que posso vencer, posso viver sem este fantasma, melhorar a qualidade da minha vida e equilíbrio emocional. Sei que terei problemas, sofrimentos, que frustrações virão, mas, se meu equilíbrio emocional vacilar e começar a sofrer fisicamente, ainda posso reverter.

Gratidão mestres do yoga!!!

Namaste!

 

Somos floridos, frutados, em brotação ou feios curvados? Tudo isso e muito mais!

Se nunca vimos uma arvore e a vemos na primavera, podemos pensar que ela será sempre florida, com perfume e cores lindas.

Se a vemos no verão, talvez pensemos nela com muitas frutas, saborosas, chegando a curvar seus galhos com o peso.

No outono, se a vemos pela 1ª vez, ela estando  sem folhas, vamos acreditar que esteja doente, muito velha e que talvez já esteja no seu fim.

E se quando nos aproximarmos dela ela estiver cheia de brotos, com novas folhas brilhantes, numa exuberância de vida e saúde, que diremos?

Não vamos ter uma visão completa desta arvore senão esperarmos pelas 4 estações, para ver seu 4 ciclos. Qualquer uma das visões acima são parciais, mas todas são visões verdadeiras desta arvore.

Seguidamente nos comportamos assim. Tomando visões parciais e acreditando ser o todo. Vemos alguém raivoso e logo pensamos: “Que pessoa difícil, agressiva…”

Possivelmente se esperássemos um pouco mais, talvez o víssemos em outros aspectos de sua personalidade. Mas temos pressa, precisamos julgar, emitir opinião, mesmo que seja de forma precipitada, e baseado em informações incompletas.

Fazemos o mesmo com nosso corpo, nossas emoções, nossos pensamentos, sofrimentos…vamos logo reagindo. Calma, respira… É mesmo necessário um reação tão imediata? Talvez possamos decidir melhor daqui a pouco, com mais informações.

 

João Luiz Antunes

 

 

 

 

 

Onde estão os nossos limites?

 

Desde meus primeiro minutos no Yoga ouço meus professores falando que preciso respeitar meus limites. Entregar-me profundamente naquilo que estou fazendo, mas com respeito pelo meu corpo, tratando-o com carinho sem deixá-lo, no entanto, na acomodação ou preguiça.

Algo que sempre me desafiou foi descobrir onde está a linha tênue entre a resignação e a acomodação. Onde realmente está o meu limite, ou enquanto professor, onde está o limite dos meus alunos. Como encontrá-lo, mensura-lo ou determina-lo.

Aqui entra o tão falado, mas pouco buscado, autoconhecimento, não conheço outro caminho.

Quando vejo hoje em dia algumas pessoas fazendo esforços extremos para ficarem mais bonitas, mais fitness, mais jovens, mais magras, usando muitas vezes como referencia padrões inalcançáveis, me lembro de meus mestres falando. Preste atenção no que teu corpo fala, será que ele suporta tudo aquilo que esperamos dele?

A experiência nos mostra que em muitos casos a resposta é não. No esporte, vemos muitas pessoas lesionadas por over training, na vida, pessoas em alto grau de sofrimento com doenças como bulimia e anorexia ou com o corpo mutilado por cirurgias plásticas desnecessárias ou mal realizadas.

Gosto de correr como atleta amador e me desafiar, buscando superar recordes pessoais ou provas com maior grau de dificuldade. Estou chegando aos 50 anos e gostaria de parecer mais jovem, mais forte. De eliminar aquela barriguinha chata e persistente que teima em me acompanhar. Mas tenho lembrado muitos meus mestres, e meditado mais, relaxado mais, tentado ouvir meu corpo, dialogar com ele.

Quero uma velhice saudável, com muita disposição para correr com meus netos por ai, se eu merecer esta graça. Então saúde é prioridade. Paz de espirito, muito bem vinda. Uma graninha para o sorvete, importante. Mas com calma, respirando e vivendo.

João Luiz Antunes

O VALOR DE UM GRUPO

Dizem que para irmos rápido é melhor irmos sozinhos, mas para irmos mais longe melhor irmos em grupo. Concordo muito com está sabedoria popular, que consegui comprovar no decorrer da vida, por isto ensino a yoga e as práticas corporais de uma forma que todos possam praticar sozinhos, porque acredito que devemos buscar a independência do ser, mas recomendo que seja buscada a aproximação de outras pessoas que tenham os mesmos ideais para ajudar a manter a chama acesa, como fala o texto abaixo.

……………………………………………………………………………………………………………

Incluo um texto que guardei, mas infelizmente não tenho o autor para dar o crédito.
*O VALOR DE UM GRUPO*
Um homem, que assiduamente comparecia as reuniões de um grupo de amigos, sem comunicar a ninguém, deixou de participar de suas atividades.
Depois de algumas semanas, um amigo, integrante desse grupo, decidiu visitá-lo.
Era uma noite muito fria.
O amigo o encontrou na sua casa, sozinho, sentado diante da lareira, onde o fogo estava brilhante e acolhedor.
Adivinhando o motivo da visita do seu amigo lhe deu as boas vindas, e aproximando-se da lareira lhe ofereceu uma cadeira grande em frente à chaminé e ficou quieto, esperando.
Nos minutos seguintes, houve um grande silêncio, pois os dois homens somente admiravam a dança das chamas em volta dos troncos de lenha que queimavam.
Depois de alguns minutos, o amigo examinou as brasas que se formaram e cuidadosamente escolheu uma delas, a mais incandescente de todas, empurrando-a para fora do fogo.
Sentando-se novamente, permaneceu silencioso e imóvel.
O anfitrião prestava atenção a tudo, fascinado e também quieto.
Dentro de pouco tempo, a chama da brasa solitária diminuiu, até que após um brilho discreto e momentâneo, seu fogo se apagou em um instante mínimo.
Dentro de pouco tempo, o que antes era uma festa de calor e luz, agora não passava de um frio, morto e preto pedaço de carvão, recoberto de uma camada de cinza espessa.
Nenhuma palavra tinha sido pronunciada desde a protocolar saudação inicial entre os dois amigos!
Antes de preparar-se para ir embora, o amigo, movimentou novamente o pedaço de carvão já apagado, frio e inútil, colocando-o novamente no meio do fogo.
Quase que imediatamente voltou a desprender-se uma nova chama, alimentado pela luz e o calor das labaredas dos outros carvões em brasa e ao redor dele.
Quando o Amigo se aproximou da porta para ir-se embora, seu anfitrião lhe disse:
*OBRIGADO PELA SUA VISITA E PELO BELÍSSIMO SERMÃO……*
Retornarei ao grupo de AMIGOS que muito bem me faz …