A natureza é preguiçosa.

Sim, e faz tudo sempre pela forma mais eficiente e econômica possível.

Tem uma série que vi no Netflix outro dia, feita por um matemático famoso para BBC de Londres, chamada de “The Code” que fala sobre a natureza do ponto de vista da matemática. Achei muito bom!  No mínimo vale assistir por ser um ponto de vista curioso e interessante.

Mas o que me fez escrever foi uma premissa básica que ele usa, “a natureza é preguiçosa e usa sempre a forma mais eficiente e econômica possível”. Isto me parece ser de concordância geral, observado tanto pelo agricultor humilde do campo como pelo cientista de famosa universidade.

A grama vai crescer no ritmo mais eficiente possível, o pássaro bater o menor numero de vezes as asas que puder e construir o ninho do tamanho mínimo para suportar os ovos. Tudo vai ser otimizado e utilizado com uma logica racional, mesmo que de forma natural, sem ação de aparente inteligência.

No yoga aprendemos  que também somos assim e nosso ego, que é o gerente geral, busca sempre o menor esforço, para nosso corpo, mente e espirito. O que é natural e respeitável, principalmente para quando éramos homo sapiens e vivíamos na savana africana, visto que precisávamos otimizar  ao máximo  a energia retirada dos alimentos  escassos e potencializar nossas capacidades. Não éramos nem os mais fortes, nem os mais rápidos, nem os mais resistentes, alias, éramos bem fraquinhos.

O que mudou é que aprendemos a fazer da nossa fraqueza nossa fortaleza e alcançamos a supremacia animal.  Agrupamo-nos, desenvolvemos técnicas e tecnologias, e mostramos ter uma tenacidade e persistência admirável, que com o passar dos milhares de anos nos fez ter este avanço fantástico! Indiscutível!

Hoje esta premissa nem sempre é benéfica, nem sempre nos ajuda. Pois atingimos uma evolução como sociedade que ela pode nos levar para a acomodação, sedentarismo e estados de sofrimento emocional.

Vemos muitas vezes pessoas vivendo pelo mínimo esforço e resultado, se acomodando em zonas de conforto e muitas vezes infelizes e sem “brilho nos olhos” ou vontade para sair da cama de manhã.

Também no yoga aprendi que o caminho deve ser percorrido todo o dia, que precisamos encontrar motivação para começar, que estar presente na ação faz a inspiração aparecer. E principalmente,  que manter-se em movimento, equilibrado e racional, nos manterá saudáveis, produtivos e mais gratificados.

Toda a pratica de Yoga Integral começamos  com um “parar”, fechar os olhos, observar nossa respiração, nosso corpo, pensamentos e sensações. Porque isto nos traz para o momento presente, nos tira do passado ou do futuro, nos desperta para os movimentos naturais de nosso corpo e nos prepara e motiva para seguir em frente. No caso, para o aprofundamento da experiência yogue, mas se quiser, para mergulhar no seu caminho, na sua experiência diária com mais inteireza, e garanto, com muito melhor resultados.

Namastê!

Posturas fáceis do Yoga para melhorar nosso dia a dia – II !!

Os ásanas, ou posturas, proporcionam uma massagem nos órgãos, ajudando a melhorar seu funcionamento. Dessa forma, o Yoga e seus asanas também beneficiam o desempenho coordenado dos diversos sistemas do corpo – digestivo, endócrino, cardiovascular, nervoso, etc.

O Yoga cura diversas doenças crônicas, como pressão sanguínea alta/baixa, dor corporal crônica, diabetes, depressão, distúrbios do sono, etc., de forma simples e natural, e também melhora o sistema imunológico.

Um dia bem começado com a prática das ásanas do yoga nos mantém enérgizados, entusiasmados e renovados até o anoitecer.

A palavra Yoga significa união em sânscrito entre corpo, mente e espirito. Equalizando harmonia e equilíbrio.

Abaixo série  para tonificars pernas fortalecimento e relaxamento de membros inferiores e quadril.

Benefícios:

  • Melhoria nos movimentos diários, excelente para quem fica muito tempo sentado, dirigindo e entre idas e vindas
  • Alivio de dores de costas, coluna, pernas, joelhos, ciáticas
  • Equilibrio e segurança física e emocional.

Obs.:

  • Montar postura (ásana) e permanecer de 30s pelo menos.
  • Fazer para os dois lados.

 

GUERREIRO

  • Com os joelhos levemente flexionados afastar ao máximo os pés um do outro, girando um deles em 90º flexionando o joelho. Alinhar os braços na altura dos ombros com os dedos juntos e as palmas para baixo. Giro de 90º do pescoço e manter o olhar na direção da mão do lado perna flexionado.

formiga

  • Idem a parte pernas agora flexionando o cotovelo e levando ele em direção ao joelho flexionado, apoiando o braço da cocha, manter o outro braço estendido e girar o pescoço na direção deste.

formiga em torção

  • Mantem a posição de perna e faz uma rotação de tronco buscando passar o ombro pela perna contraria

corredor

  • Manter a perna flexionada. Descer com o peito na direção do joelho flexionado e, se possível, apoiar as duas palmas das mãos no chãoReiniciar para o outro lado

Meditação acessível a todos.

 

Todos conseguimos meditar?

Sim, todos.

Se descartarmos pessoas com alguma doença neurológica especifica, todos estão habilitados.

 

Então por que é tão difícil?

Porque é uma habilidade, como andar de bicicleta, dirigir um carro, correr, lavar louca. Precisamos de um tempo para assimilar a técnica e treinar se quisermos ser um bom praticante.

 

Mas o que é exatamente meditar e como sei que estou meditando?

Meditar é serenar a mente, adotar uma atitude contemplativa e observadora em relação a tudo o que acontece dentro de fora de nos. Existem várias técnicas e dicas que nos ajudam neste processo. Sabemos que estamos meditando quando conseguimos momentos, pelo menos, neste estado.

 

 

Então deixa eu te passar uma técnica bem simples e eficaz:

 

  1. Procure um local, se possível silencioso, para ficar por uns 10 minutos sem ser interrompido.
  2. Instale-se confortavelmente em uma posição que possa ser mantida pelo tempo necessário. Se não praticar yoga ou tiver bastante flexibilidade para posturas “ideais” opte por uma cadeira firme, sente um pouco afastada do encosto, apoie os dois pés no chão, coluna reta e mãos apoiadas nas pernas.
  3. Respirar tranquilamente, fechando os olhos e observar o movimento respiratório, contando as  inspirações e expirações  para ajudar na concentração. Ex. 1-inspira, 2-expira,… Até o 10 e retornando para o 1 novamente.
  4. Regra de ouro, apesar de todas as distrações, principalmente internas, retorne sempre para a contagem. Se se perder, recomece.

 

Este exercício, repetido se possível diariamente, vai te dar a percepção que é possível parar por um tempinho e o observar. Que dá para manter a posição de observador por um tempo. Que dá para meditar. Quando maior for à persistência melhor serão os resultados.

Vamos começar agora?