Estou meditando, e agora?

 

 

Já consigo sentar e entrar em atitude meditativa, por um tempo. Já consigo ter regularidade. Já defini um horário ideal que posso me dedicar a isso por uns 10 minutos pelo menos. E agora?

Agora é que começa a diversão!!!

Até agora, fazendo analogia com um avião, fizemos os procedimentos de decolagem, vai pra pista, se posiciona, acelera e sai do chão… Então começa a viagem.

Com a meditação é a mesma coisa. Quando entramos em um estado de contemplação, com a mente observadora e não mais julgadora, podemos começar a nos conhecer e fazer grandes descobertas.

Vamos explorar algumas escolas tradicionais de meditação?

 

Visão Indiana sobre meditação

 

Segundo o conhecimento do asthanga yoga, sabedoria antiga da India, que utilizam a meditação como filosofia de vida a milênios, temos 8 passos para atingir o ápice.

 

           1-Yamas – (mandamentos morais). Usar a meditação para observar as atitudes e ações moralmente erradas que realizamos sem perceber e buscar evita-las.

            2-Niyamas – (autopurificação pela disciplina). Buscar na disciplina a força para se manter no bom caminho, no acerto, na saúde e na paz.


3-Asana 
– (postura corporal do yoga). Executando-os se ganha saúde, liberta-se das deficiências físicas e das distrações mentais.

         4-Pranayama – (controle rítmico da respiração). Adquirimos mais energia e serenidade. Respirar é viver.

            5-Pratiahara – (libertação do domínio dos sentidos). Somente temos controle real sobre nossa vida quando controlamos nosso corpo e nossas sensações.

           6-Dharana – (concentração). A mente precisa ser imobilizada para atingir esse estado de absorção completa. A repetição de mantras ou a contagem das respirações ajudam nisso.

          7-Dhyana – (meditação).

          8-Samadhi – (estado de supraconsciência). Quando o meditador torna-se uno com o objeto de sua meditação. Seu corpo e sentidos ficam adormecidos, mas suas faculdades mentais e racionais estão alertas, estamos então totalmente consciente.

 

 

Legal né? Comentem suas percepções e resultados, para compartilharmos nosso aprendizado.

Meditação acessível a todos.

 

Todos conseguimos meditar?

Sim, todos.

Se descartarmos pessoas com alguma doença neurológica especifica, todos estão habilitados.

 

Então por que é tão difícil?

Porque é uma habilidade, como andar de bicicleta, dirigir um carro, correr, lavar louca. Precisamos de um tempo para assimilar a técnica e treinar se quisermos ser um bom praticante.

 

Mas o que é exatamente meditar e como sei que estou meditando?

Meditar é serenar a mente, adotar uma atitude contemplativa e observadora em relação a tudo o que acontece dentro de fora de nos. Existem várias técnicas e dicas que nos ajudam neste processo. Sabemos que estamos meditando quando conseguimos momentos, pelo menos, neste estado.

 

 

Então deixa eu te passar uma técnica bem simples e eficaz:

 

  1. Procure um local, se possível silencioso, para ficar por uns 10 minutos sem ser interrompido.
  2. Instale-se confortavelmente em uma posição que possa ser mantida pelo tempo necessário. Se não praticar yoga ou tiver bastante flexibilidade para posturas “ideais” opte por uma cadeira firme, sente um pouco afastada do encosto, apoie os dois pés no chão, coluna reta e mãos apoiadas nas pernas.
  3. Respirar tranquilamente, fechando os olhos e observar o movimento respiratório, contando as  inspirações e expirações  para ajudar na concentração. Ex. 1-inspira, 2-expira,… Até o 10 e retornando para o 1 novamente.
  4. Regra de ouro, apesar de todas as distrações, principalmente internas, retorne sempre para a contagem. Se se perder, recomece.

 

Este exercício, repetido se possível diariamente, vai te dar a percepção que é possível parar por um tempinho e o observar. Que dá para manter a posição de observador por um tempo. Que dá para meditar. Quando maior for à persistência melhor serão os resultados.

Vamos começar agora?