O VALOR DE UM GRUPO

Dizem que para irmos rápido é melhor irmos sozinhos, mas para irmos mais longe melhor irmos em grupo. Concordo muito com está sabedoria popular, que consegui comprovar no decorrer da vida, por isto ensino a yoga e as práticas corporais de uma forma que todos possam praticar sozinhos, porque acredito que devemos buscar a independência do ser, mas recomendo que seja buscada a aproximação de outras pessoas que tenham os mesmos ideais para ajudar a manter a chama acesa, como fala o texto abaixo.

……………………………………………………………………………………………………………

Incluo um texto que guardei, mas infelizmente não tenho o autor para dar o crédito.
*O VALOR DE UM GRUPO*
Um homem, que assiduamente comparecia as reuniões de um grupo de amigos, sem comunicar a ninguém, deixou de participar de suas atividades.
Depois de algumas semanas, um amigo, integrante desse grupo, decidiu visitá-lo.
Era uma noite muito fria.
O amigo o encontrou na sua casa, sozinho, sentado diante da lareira, onde o fogo estava brilhante e acolhedor.
Adivinhando o motivo da visita do seu amigo lhe deu as boas vindas, e aproximando-se da lareira lhe ofereceu uma cadeira grande em frente à chaminé e ficou quieto, esperando.
Nos minutos seguintes, houve um grande silêncio, pois os dois homens somente admiravam a dança das chamas em volta dos troncos de lenha que queimavam.
Depois de alguns minutos, o amigo examinou as brasas que se formaram e cuidadosamente escolheu uma delas, a mais incandescente de todas, empurrando-a para fora do fogo.
Sentando-se novamente, permaneceu silencioso e imóvel.
O anfitrião prestava atenção a tudo, fascinado e também quieto.
Dentro de pouco tempo, a chama da brasa solitária diminuiu, até que após um brilho discreto e momentâneo, seu fogo se apagou em um instante mínimo.
Dentro de pouco tempo, o que antes era uma festa de calor e luz, agora não passava de um frio, morto e preto pedaço de carvão, recoberto de uma camada de cinza espessa.
Nenhuma palavra tinha sido pronunciada desde a protocolar saudação inicial entre os dois amigos!
Antes de preparar-se para ir embora, o amigo, movimentou novamente o pedaço de carvão já apagado, frio e inútil, colocando-o novamente no meio do fogo.
Quase que imediatamente voltou a desprender-se uma nova chama, alimentado pela luz e o calor das labaredas dos outros carvões em brasa e ao redor dele.
Quando o Amigo se aproximou da porta para ir-se embora, seu anfitrião lhe disse:
*OBRIGADO PELA SUA VISITA E PELO BELÍSSIMO SERMÃO……*
Retornarei ao grupo de AMIGOS que muito bem me faz …